sexta-feira, 5 de julho de 2013

"Simplesmente Bete"

Tem dias que me pego na saudade de momentos que se foram e não voltam mais...
Hoje vou falar um pouco da minha querida prima e amiga Bete. Elizabete sempre foi uma mulher guerreira que dá a cara pra bater ser preciso for,pessoa de caráter admirável,amiga daquelas que se pode contar em todos os momentos.Quando criança brincamos juntas e com o passar dos anos ficamos mais unidas,pois trabalhamos um bom período juntas e por esse motivo de primas passamos para amigas.Vivíamos tão juntas que uma vez minha tia me perguntou se tínhamos um caso,fiquei bege com a pergunta e respondi: se amizade for caso,então temos sim.Chorávamos e ríamos sempre juntas,entre as coisas boas e ruins que passamos,sempre contávamos uma com a outra.Quando a fatalidade levou os pais da Bete,sua vida deu uma reviravolta e o destino a levou para Londres.Ela foi com a cara e a coragem e eu quase morri de saudades.Lembro que não me despedi,não tive coragem, pois era muito pra minha cabeça de uma hora para outra ter que ficar longe da minha amiga.Lá em Londres ela morou por um tempo,passou o pão que o diabo amassou.Viver em outro pais não é nada fácil.Quando já estava quase desistindo e pensando em voltar para o Brasil,o destino mais uma vez falou mais alto com a flechada do cupido e ela acabou indo morar na Suécia.Os anos passaram...hoje ela é casada com um suéco,tem dois lindos filhos e vive linda e feliz.
Sempre que pode ela vem nos visitar,o que facilita para que a saudade não seja maior é que hoje em dia a distância se torna pequena devido as facilidades do mundo virtual.Vivemos a milhares de quilômetros de distância,porém o amor da amizade para mim é o mesmo,a única diferença é que hoje em dia há um sentimento misturado neste meio,o da saudade,saudade que vem e que fica,que aperta dentro do peito e me  faz voltar no tempo,tempo que vivemos juntas,quase como duas loucas,quase como duas meninas na ânsia de viver e de ser feliz.

*Jan